Efeitos colaterais do Orlistat

Orlistat é uma substância ativa usada no tratamento de pacientes com sobrepeso e obesidade.

Efeitos colaterais do Orlistat

O orlistat emagrece, no entanto, é importante ressaltar que o tratamento com orlistat deve necessariamente estar associado a uma dieta adequada.

Orlistat está disponível em formulações farmacêuticas adequadas para administração oral (comprimidos e cápsulas para mastigar). 

Alguns dos medicamentos que o contêm são dispensáveis ​​sem a obrigação de submeter uma prescrição; enquanto outros precisam de apresentação repetida de receita médica (estes últimos contêm o ingrediente ativo em doses mais altas). 

Todos eles, no entanto, são classificados como drogas da banda C; portanto, seu custo é totalmente acessível pelo cidadão.

Para que serve?

Orlistat está disponível em vários medicamentos nos quais pode estar presente em concentrações mais altas ou mais baixas (27 mg, 60 mg ou 120 mg por comprimido ou cápsula).

Quando usado em doses baixas (27 mg e 60 mg por comprimido ou cápsula), o orlistat é indicado no tratamento:

Dos pacientes adultos com excesso de peso (a partir dos 18 anos de idade) com índice de massa corporal (IMC) igual ou superior a 28, associado a uma dieta hipocalórica e com pouca gordura.

Efeitos colaterais

Orlistat pode causar vários efeitos colaterais, embora nem todos os pacientes os experimentem ou os experimentem da mesma maneira. 

De fato, cada pessoa reage subjetivamente à administração da droga, manifestando efeitos colaterais que diferem em tipo e intensidade, ou não os manifestando.

O seu médico deve ser informado imediatamente e o tratamento com o orlistat deve ser imediatamente interrompido se os seguintes efeitos colaterais graves aparecerem:

  • Reações alérgicas graves caracterizadas por sintomas como: dificuldades respiratórias graves, sudorese, eritema, coceira, inchaço da face, batimentos cardíacos acelerados, colapso;
  • Diverticulite, caracterizada por dor abdominal – principalmente à esquerda – possivelmente acompanhada de febre e constipação;
  • Pancreatite, cujos sintomas podem incluir: dor abdominal intensa, por vezes irradiando para as costas e possivelmente acompanhada de febre, náusea e vômito;
  • Cálculos biliares que causam dor abdominal intensa;
  • Bolhas na pele;
  • Hepatite, cujos sintomas podem ser: amarelecimento da pele e olhos, coceira, urina de cor escura, dor abdominal e dor de fígado (dor localizada no lado direito, abaixo da frente da caixa torácica), às vezes associada à perda de apetite ;
  • Pedras nos rins (causadas pelo acúmulo de oxalatos).

Efeitos secundários muito frequentes e comuns

Entre os efeitos colaterais muito comuns e comuns que podem ocorrer durante a terapia com orlistat, encontramos:

  • Gás intestinal, com ou sem vazamentos oleosos;
  • Fezes moles ou líquidas e oleosas;
  • Corrimento intestinal repentino;
  • Incontinência fecal;
  • Dor no reto;
  • Dor abdominal;
  • Sentindo-se desconfortável;
  • Ansiedade;
  • Fadiga;
  • Inchaço (especialmente em pacientes com diabetes mellitus tipo 2);
  • Redução dos níveis de açúcar no sangue (efeito que ocorre em pacientes com diabetes mellitus tipo 2);
  • Infecções do trato urinário;
  • Infecções do trato respiratório superior e inferior;
  • Dor de cabeça;
  • Distúrbios dos dentes e gengivas;
  • Irregularidade do ciclo menstrual.

Advertências e precauções

Antes de iniciar o tratamento com Orlistat, é aconselhável informar o seu médico sobre suas condições de saúde, informando-o da presença de qualquer tipo de enfermidade e doença.

Em particular, é muito importante informar esse valor de saúde se:

  • Você está com diabetes, pois o orlistat pode interferir na terapia antidiabética;
  • Se você sofre de doença renal e distúrbios de qualquer tipo, uma vez que tomar orlistat em pacientes com doença renal crônica pode promover a formação de cálculos renais.

Além disso, é muito importante saber que tomar orlistat pode causar alterações nos hábitos intestinais do paciente, dando origem a fezes gordurosas e oleosas, uma conseqüência direta do mecanismo de ação com o qual a substância ativa realiza sua ação terapêutica.

Deixe um comentário